sábado, 25 de setembro de 2010

A chegada...


O ultimo texto que postei eu havia escrito após a festa de “despedida” (até breve), mas só consegui postar (minha melhor amiga postou pra mim) hoje (25/09/2010).

Em primeiro lugar gostaria de agradecer todo carinho, cuidado, atenção... que eu tenho recebido da minha família, amigos, colegas, pessoas que nem conhecia direito e até mesmo de pessoas que há muito tempo não “falava” (encontrava). Tem sido muito fortalecedor e “incentivante.”

Conforme prometi, sempre que puder irei contar como está sendo essa nova experiência.

Cheguei dia 20/09/2010, por volta das 14h30 (horário de Dublin, 10h30 Brasília). A viagem foi tranqüila, KLM serve muito bem, tem comida e bebida a cada 10 minutos... RS... Fiz conexão em Amsterdã, mas nem sai do aeroporto, logo embarquei para Dublin.

Que Deus sempre esteve (e está) comigo, isso eu não tenho dúvida. Mas esses dias estou vivenciando intensamente o zelo de Deus por mim, nos mínimos detalhes.

Chegando em Dublin, encontrei dois estudantes brasileiros no avião... desembarcamos juntos e nos ajudamos no aeroporto, os 3 tremendo para passar na imigração. Primeiro foi o Andre, em seguida a Pamela e logo depois eu (em 3 guichês diferentes). Quando fui ao guichê, perguntaram se eu falava inglês (em português), eu disse que não, ele pediu meus documentos, olhou, carimbou o passaporte, e disse até quando eu tinha que solicitar meu visto de estudante. Tudo muito tranqüilo e rápido! Na hora que peguei meu passaporte, pensei: Deus abriu todas as portas, por isso estou aqui.

Já tinha uma pessoa contratada pela agência (Vision) me esperando para me levar para “minha casa” (host family). A família toda maravilhosa, acolhedora, muito pacientes.
Confesso que o primeiro impacto não foi muito bom, finalmente caiu a ficha: “Puts... estou na Irlanda, o que eu vim fazer aqui? Estou sozinha, e 6 meses é muito tempo! Que eu farei sem minha família e sem meus amigos”. Meu coração apertou muito, abri a porta do quarto, precisava de ar... Não conseguia falar com ninguém, comecei a rezar, entregar minha vida nas mãos de Deus, pedir para Nossa Senhora acalmar meu coração... e mais uma vez o cuidado de Deus. Abri a bíblia e veio, Salmo 120 “Deus, guarda do seu povo.”

Consegui colocar carga no meu celular, um amigo (Rafael) de uma amiga (Veronica) me ligou e finalmente ouvi português, em seguida a Aline (eu conheci em São Paulo, há muitos anos), liguei para minha casa, falei com minha mãe, minha irmã... O grande impacto foi diminuindo.

Bom... por hoje chega!!! Logo mais volto para contar como foi minha semana depois da chegada.

Deus, guarda do seu povo (Salmo 120)

“Para os montes levanto os olhos: de onde me virá socorro?
O meu socorro virá do Senhor, criador do céu e da terra.
Ele não permitirá que teus pés resvalem:
não dormirá aquele que te guarda,
Não, não há de dormir, nem adormecer
o guarda de Israel.
O Senhor é teu guarda,
o Senhor ‘teu abrigo, sempre ao teu lado.
De dia, o sol não te fará mal;
nem a lua durante a noite.
O Senhor te resguardará de todo o mal:
ele velará sobre tua alma.
O Senhor guardará os teus passos,
agora e para o todo sempre.”

terça-feira, 14 de setembro de 2010

"O verdadeiro... vem de Deus!"

Bom reviver momentos simples que nos preenche, nos devolve. Momentos os quais não sabia se voltaria vivê-los. Tantas lembranças que vem ao coração, uma saudade forte que mostra o quanto foi importante o que passou.

Sempre bom poder resgatar essas lembranças e permitir sentir a alegria desses "velhos tempos".

Muitas vezes tentamos entender "os porquês" da vida... "Porque as coisas que mais nos causam
alegria, são as mesmas que mais nos causam dor". Mas nada como tentar, mesmo com toda pequenez e limitação, aprender apenas viver e buscar o que é verdadeiro.

Talvez, muita coisa não precisamos realmente entender e sim enxergar todo zelo de Deus em cada situação.

"Por mais que seja dolorido... Eu viveria tudo novamente."